Digite para procurar

Fé em tempos de pandemia

Cidades Destaque

Fé em tempos de pandemia

Compartilhar

Três religiosos de Passos explicam como se adequaram para continuar levando conforto espiritual às pessoas nesta época de apreensão e incertezas

Texto: Pedro Freitas – Edição: Lívia Ferreira – Imagens: Arquivo pessoal

E quando tudo parecia caminhar para um desfecho favorável… surge a Ômicron, variante muito mais infectante que as versões anteriores do coronavírus. Embora bem menos letal, ela tem se espalhado na mesma velocidade em que semeia dúvidas e insegurança até em quem já tomou a vacina contra a Covid.
Nestes momentos de apreensão, é preciso ir além do que a ciência é capaz de oferecer para buscar aconchego. Buscar conforto onde os tratados e pesquisas não alcançam. Preencher a lacuna que laboratórios não suprem. Há momentos em que só a fé acalenta.
A Verboaria conversou com três representantes de diferentes denominações religiosas. Cada um, a seu modo, se dedica a levar a palavra que cura a alma de seus rebanhos, apesar da distância imposta pelo coronavírus, um inimigo invisível que tem deixado marcas tão aparentes.

Continua depois da publicidade

Conheça o Centro Médico Integrado em Oncologia e Cirurgia

Igreja Matriz
Sandro Henrique Almeida Santos é pároco da igreja Senhor Bom Jesus dos Passos, a Matriz. Desde bem pequeno, já frequentava a igreja com sua mãe – falecida no fim de 2021- e logo descobriu sua vocação sacerdotal. “Minha mãe me vestia de coroinha desde meus quatro anos de idade”, relembra. Na missão de espalhar a palavra de Deus, Padre Sandro tem a tecnologia a serviço da fé: as mídias sociais e as ondas do rádio.
O pároco estima que, antes da pandemia, cerca 1.500 fiéis passavam pela paróquia aos finais de semana – a igreja Matriz comporta 900 pessoas. O distanciamento social imposto pela pandemia impactou sobretudo os idosos, que eram os mais assíduos nas celebrações.

Lives
A igreja Matriz ficou fechada de março a setembro. “O que nos ajudou foram as lives. Hoje a igreja conta com equipamentos que permitem uma boa qualidade nas transmissões”, explicou Padre Sandro.
Por conta da impossibilidade de realizar quermesses para arrecadar fundos, a obra de uma igreja que está sendo construída no bairro Eldorado precisou ser pausada. A Matriz se manteve por meio de dízimos e leilões virtuais. Casamentos e catecismos foram retomados aos poucos.

Casa Espírita Cáritas
Fundada em 1975 com base na doutrina espírita de Alan Kardec, a Casa Espírita Cáritas possui também a Creche Cáritas, que recebe crianças carentes e funciona em parceria com a prefeitura municipal. Os trabalhos religiosos são realizados graças a doações e promoção de rifas de pizzas, enquanto a creche recebe recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Menos fiéis
“Nasci em um lar espírita e minha relação com o espiritismo vem desde que eu era criança”, explicou Sílvia Maria Rodrigues, que atua na condução dos trabalhos da casa espírita. Durante o lockdown, o contato com os frequentadores ocorria em ambiente virtual. Com o retorno das atividades presenciais, o número de fiéis diminuiu: nos domingos pré-pandemia, cerca de 120 pessoas participavam dos encontros. Hoje são cerca de 80 participantes.

Mudança nas celebrações
O distanciamento social impôs mudanças até nas celebrações: os chamados passes energéticos (reenergização da pessoa por meio de uma prece direcionada em um ambiente da Casa Cáritas) mudou para o chamado dialogo fraterno: a prece é realizada em local aberto, obedecendo as normas de segurança contra a Covid-19. “Orientamos a todos nós, seja em bons ou maus momentos de nossas vidas, sermos pessoas mais fraternas e solidárias”, aconselha Sílvia.

Sílvia Rodrigues atua na condução dos trabalhos da Casa Espírita Cáritas

Caminho inverso
Já a igreja Comunidade do Cordeiro cresceu exatamente na pandemia. Nos cultos celebrados antes da quarentena, recebia, no máximo, 20 pessoas por celebração. “Hoje recebemos mais de 180”, contabiliza o pastor Eli Fernandes do Nascimento, responsável pela igreja.
A tecnologia foi fundamental para aproximar os fiéis – houve tempos em que eles só podiam interagir por meio de lives. “Mas sempre tudo muito intenso, apesar de tudo” afirma o pastor, com empolgação.

Doações da comunidade
Para cobrir os déficits, a contribuição dos fiéis e a fé em Deus foram indispensáveis, segundo o pastor. “Foram a união e generosidade das pessoas que mantiveram a igreja de pé. O que faz diferença é o tamanho de Deus em meio à crise”. Para Eli, o período turbulento da pandemia pode servir de aprendizado para que as pessoas entendam e valorizem a vida e o próximo.
A esperança de Eli é que a rotina da igreja volte à normalidade em 2022 – os batismos estão ocorrendo, respeitando todas as regras sanitárias de prevenção contra a infecção pelo coronavírus. “E não percam a fé. Creiam que tudo é possível para aqueles que amam a Deus”, aconselha o pastor.

Pastor Eli Fernandes é o responsável pela igreja Comunidade do Cordeiro

Espiritualidade e saúde
Professor de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), diretor do Núcleo de Pesquisa em Espiritualidade e Saúde da UFJF e coordenador da Seção de Espiritualidade e Psiquiatria da Associação de Psiquiatria da América Latina, o médico Alexander Moreira-Almeida explica neste vídeo o impacto da espiritualidade na saúde.

Gostou da matéria? Então compartilhe este conteúdo com quem precisa de aconchego emocional em tempos tão estranhos como este!

Tags:

Você também deve gostar

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *